Atos dos Apóstolos

47/58

Capítulo 47 — A última prisão

O trabalho de Paulo entre as igrejas, depois de sua absolvição em Roma, não poderia escapar à observação de seus inimigos. Desde o princípio da perseguição sob Nero, os cristãos se tornaram em todos os lugares uma seita proscrita. Depois de algum tempo, os judeus incrédulos conceberam a idéia de lançar sobre Paulo o crime de haver instigado o incêndio de Roma. Nenhum deles nem por um momento achava que ele fosse culpado; mas sabiam que tal acusação, ainda que feita com a mais fraca mostra de plausibilidade, selaria a sua condenação. Pelos esforços deles, Paulo foi novamente preso e levado precipitadamente para sua reclusão final. AA 274.1

Em sua segunda viagem para Roma, Paulo foi acompanhado por vários de seus anteriores companheiros; outros desejavam ardentemente partilhar de sua sorte, mas ele recusou permitir-lhes pôr assim em perigo a vida. As perspectivas diante dele eram muito menos favoráveis que na ocasião de seu primeiro encarceramento. A perseguição sob Nero tinha grandemente diminuído o número de cristãos em Roma. Milhares tinham sido martirizados por sua fé, muitos tinham deixado a cidade, e os que permaneciam estavam sobremaneira deprimidos e intimidados. AA 274.2

Chegando a Roma, Paulo foi posto em sombrio calabouço, até que terminasse a carreira. Acusado de instigar um dos mais bárbaros e terríveis crimes contra a cidade e a nação, tornou-se objeto de ódio universal. AA 274.3

Os poucos amigos que haviam compartilhado dos trabalhos do apóstolo, passaram então a abandoná-lo, alguns por deserção, outros em missão a várias igrejas. Fígelo e Hermógenes foram os primeiros a sair. Então Demas, desanimado pelas densas nuvens de dificuldades e perigos, abandonou o perseguido apóstolo. Crescente foi enviado por Paulo às igrejas da Galácia, Tito a Dalmácia, Tíquico a Éfeso. Escrevendo a Timóteo sobre essa experiência, Paulo disse: “Só Lucas está comigo”. 2 Timóteo 4:11. Jamais teve o apóstolo tanta necessidade do cuidado de seus irmãos como agora, debilitado como estava pela idade; lutas e enfermidades, e confinado numa prisão romana, úmida e escura. Os serviços de Lucas, discípulo amado e fiel amigo, foram um grande conforto para Paulo, permitindo-lhe comunicar-se com seus irmãos e o mundo exterior. AA 274.4

Nesse tempo de provação, o coração de Paulo encontrou alegria nas freqüentes visitas de Onesíforo. Esse efésio de coração amorável fez tudo o que estava em seu poder para aliviar o fardo que representava ao apóstolo a prisão. Seu amado mestre estava em cadeias por amor à verdade, ao passo que ele estava livre; e não se poupava nenhum esforço para tornar mais amena a vida de Paulo. AA 274.5

Na última carta escrita pelo apóstolo, assim se expressa com respeito a esse fiel discípulo: “O Senhor conceda misericórdia à casa de Onesíforo, porque muitas vezes me recreou, e não se envergonhou das minhas cadeias. Antes, vindo ele a Roma, com muito cuidado me procurou e me achou. O Senhor lhe conceda que naquele dia ache misericórdia diante do Senhor”. 2 Timóteo 1:16-18. AA 275.1

O desejo de amor e simpatia é implantado no coração pelo próprio Deus. Cristo, na hora de Sua agonia no Getsêmani, ansiou pela simpatia de Seus discípulos. E Paulo, embora aparentemente indiferente a durezas e sofrimento, almejou simpatia e companheirismo. A visita de Onesíforo, testificando de sua fidelidade num tempo de solidão e abandono, levou alegria àquele que tinha gasto sua vida no trabalho por outros. AA 275.2