No Deserto da Tentação

12/30

Capítulo 11 — Os efeitos terríveis do pecado sobre o homem

Satanás teve tanto êxito em enganar os anjos de Deus e arruinar o nobre Adão, que pensava que seria bem-sucedido em vencer a Cristo na Sua humilhação. Olhava com exultação para o resultado de suas tentações e o aumento do pecado em continuada transgressão da lei de Deus por mais de quatro mil anos. Ele causou a ruína de nossos primeiros pais e trouxe o pecado e a morte ao mundo, arruinou multidões em todas as eras, países e classes. Pelo seu poder tem controlado cidades e nações até que seus pecados provocassem a ira de Deus para destruí-los pelo fogo, água, terremotos, fome, espada e pestilência. Por sua sutileza e infatigáveis esforços tem ele controlado o apetite, excitado e reforçado as paixões a um ponto tão temerário que tem desfigurado e quase obliterado a imagem de Deus no homem. Sua dignidade física e moral foi destruída a tal ponto que apresentava uma pálida semelhança de caráter e nobre perfeição da dignidade de Adão no Éden. DT 41.3

Antes do primeiro advento de Cristo, Satanás rebaixara o homem de sua exaltada pureza original, ofuscando com o pecado aquele caráter áureo. O homem a quem Deus criou como soberano no Éden transformou-se em escravo na Terra, gemendo sob a maldição do pecado. A auréola de glória, dada por Deus ao santo Adão para cobri-lo como vestimenta, foi dele tirada após a transgressão. A luz da glória de Deus não podia cobrir a desobediência e o pecado. Em lugar da saúde e plenitude de bênçãos, a pobreza, as doenças e os sofrimentos de todo tipo tornaram-se a porção dos filhos de Adão. DT 42.1

Satanás, através do seu poder sedutor tem levado o homem à vã filosofia, a questionar e finalmente descrer da revelação divina e da existência de Deus. Olhou de todos os lados para um mundo de moral baixa e expôs a raça humana à condenação do pecado por um Deus vingativo, com cruel triunfo, sendo bem-sucedido em obscurecer o caminho de muitos, levando-os a transgredir a lei de Deus. Revestiu o pecado com agradáveis atrativos para assegurar a ruína de muitos. DT 43.1

Mas o seu mais bem-sucedido plano para enganar o homem tem consistido em ocultar seus propósitos reais e seu verdadeiro caráter, representando-se a si mesmo como amigo do homem — um benfeitor da raça. Ele corteja os homens com o agradável enredo de que não existe inimigo rebelde e mortal de quem eles necessitem precaver-se e de que a existência de um diabo pessoal é tudo ficção; e enquanto esconde a sua existência, está reunindo milhares dos que estão sob seu controle. Está enganando a muitos, como tentou enganar a Cristo, dizendo que é um anjo do Céu, fazendo bom trabalho pela humanidade. As massas encontram-se tão cegas pelo pecado que não podem discernir as artimanhas de Satanás, honrando-o como anjo celestial, enquanto está operando sua eterna ruína. DT 43.2