A Ciência do Bom Viver

37/185

Missionários de Manutenção Própria

Em muitos lugares, podem trabalhar com êxito missionários de manutenção própria. Foi como tal que o apóstolo Paulo trabalhou na disseminação do conhecimento de Cristo por todo o mundo. Enquanto ensinava diariamente o evangelho em grandes cidades da Ásia e da Europa, trabalhava em um ofício para se manter a si mesmo e a seus companheiros. Suas palavras de despedida aos anciãos da igreja de Éfeso, mostrando sua maneira de trabalhar, encerram preciosas lições para todo obreiro evangélico. CBV 154.1

“Vós bem sabeis”, disse ele, “como em todo esse tempo me portei no meio de vós, ... como nada, que útil seja, deixei de vos anunciar e ensinar publicamente e pelas casas. ... De ninguém cobicei a prata, nem o ouro, nem a veste. Vós mesmos sabeis que, para o que me era necessário, a mim e aos que estão comigo, estas mãos me serviram. Tenho-vos mostrado em tudo que, trabalhando assim, é necessário auxiliar os enfermos e recordar as palavras do Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber.” Atos 20:18, 20, 33-35. CBV 154.2

Muitos hoje em dia, caso se achassem imbuídos do mesmo espírito de sacrifício, poderiam realizar uma boa obra, por maneira idêntica. Que dois ou mais comecem juntos obra evangelística. Visitem o povo, orando, cantando, ensinando, explicando as Escrituras, ajudando aos enfermos. Alguns se podem manter como colportores, outros, como o apóstolo, podem trabalhar em algum ofício ou em outros ramos de trabalho. À medida que avançam em sua obra, compreendendo sua impotência mas confiando humildemente em Deus, obtêm uma bendita experiência. O Senhor Jesus vai adiante deles, e entre ricos e pobres encontram eles favor e auxílio. CBV 154.3

Os que se preparam para obra médico-missionária em campos distantes devem ser animados a partir sem demora ao lugar em que esperam trabalhar, e começar a obra entre o povo, aprendendo a língua enquanto trabalham. Bem depressa estarão aptos a ensinar as simples verdades da Palavra de Deus. CBV 155.1

Necessitam-se por todo o mundo mensageiros de misericórdia. Há necessidade de famílias cristãs que vão para localidades que se acham em trevas e erro, vão a lugares longínquos, e aí tomem conhecimento das necessidades de seus semelhantes, e trabalhem pela causa do Mestre. Se essas famílias se estabelecessem nos lugares escuros da Terra, lugares em que o povo se acha envolto em sombras espirituais, e deixassem a luz da vida de Cristo irradiar por meio delas, nobre seria a obra que se poderia realizar. CBV 155.2

Essa obra requer sacrifício. Enquanto muitos estão esperando que sejam removidos todos os obstáculos, fica por fazer a obra que poderiam efetuar, e multidões estão morrendo sem esperança e sem Deus. Alguns, por amor de vantagens comerciais, ou para adquirir conhecimentos científicos, se arriscam a penetrar em regiões desabitadas, e a resistir de bom grado a sacrifícios e privações; mas quão poucos estão dispostos, por amor de seus semelhantes, a transportar sua família para regiões carecidas do evangelho! CBV 156.1

Alcançar o povo onde quer que esteja e seja qual for sua posição ou estado, e auxiliá-lo por todos os modos possíveis — eis o verdadeiro ministério. Mediante esses esforços, podeis conquistar corações, e abrir uma porta para o acesso a almas que estão a perecer. CBV 156.2

Lembrai-vos, em todo o vosso trabalho, que vos achais ligados a Cristo, sendo uma parte do grande plano de redenção. O amor de Cristo, numa corrente que cura e vivifica, deve fluir de vossa vida. Ao buscardes atrair outros para o círculo de Seu amor, que a pureza de vossa linguagem, o desinteresse de vosso serviço e o contentamento de vossa conduta sejam um testemunho ao poder de Sua graça. Oferecei ao mundo uma tão pura e justa representação dEle que os homens O contemplem em Sua beleza. CBV 156.3

De pouca utilidade é procurar reformar outros atacando o que podemos considerar maus hábitos. Tais esforços dão muitas vezes em resultado mais dano que bem. Em Sua conversa com a samaritana, em lugar de desmerecer o poço de Jacó, Cristo apresentou alguma coisa melhor. “Se tu conheceras o dom de Deus”, disse Ele, “e quem é o que te diz: Dá-Me de beber, tu Lhe pedirias, e Ele te daria água viva.” João 4:10. Desviou a conversa para o tesouro que tinha a dar, oferecendo à mulher alguma coisa melhor do que ela possuía, a própria água viva, a alegria e a esperança do evangelho. CBV 156.4

Isso é uma ilustração do modo por que devemos trabalhar. Temos de oferecer aos homens alguma coisa melhor do que eles possuem, a própria paz de Cristo, que excede todo o entendimento. Cumpre-nos falar-lhes da santa Lei de Deus, a transcrição de Seu caráter, e uma expressão daquilo que Ele quer que se tornem. Mostrai-lhes quão infinitamente superior às fugazes alegrias e prazeres do mundo é a imperecível glória celeste. Falai-lhes da liberdade e do repouso que se encontram no Salvador. “Aquele que beber da água que Eu lhe der nunca terá sede”, declarou Ele. João 4:14. CBV 157.1

Exaltai a Jesus, clamando: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” João 1:29. Unicamente Ele pode satisfazer o anseio do coração, e dar paz à alma. CBV 157.2

De todos os povos da Terra, deviam ser os reformadores os mais abnegados, os mais bondosos, os mais corteses. Dever-se-ia ver em seus atos a verdadeira bondade dos atos desinteressados. O obreiro que manifesta falta de cortesia, que mostra impaciência ante a ignorância dos outros ou por se acharem extraviados, que fala bruscamente ou procede sem reflexão, pode cerrar a porta de corações por tal maneira que nunca mais lhes seja dado conquistá-los. Como o orvalho e a chuva branda caem nas ressequidas plantas, assim deixai cair suavemente as palavras quando procurais desviar os homens de seus erros. O plano de Deus é conquistar primeiro o coração. Devemos falar a verdade com amor, confiando nEle quanto ao poder para a reforma da vida. O Espírito Santo aplicará ao coração a palavra proferida com amor. CBV 157.3

Somos naturalmente egocêntricos e opiniosos. Mas, ao aprendermos as lições que Cristo nos deseja ensinar, tornamo-nos participantes de Sua natureza; daí em diante, vivemos a Sua vida. O maravilhoso exemplo de Cristo, a incomparável ternura com que compreendia os sentimentos dos outros, chorando com os que choravam e Se regozijando com os que se regozijavam, deve exercer profunda influência sobre o caráter de todos quantos O seguem em sinceridade. Mediante palavras e atos bondosos, procurarão facilitar o trilho aos pés cansados. CBV 157.4

“O Senhor Jeová Me deu uma língua erudita, para que Eu saiba dizer, a seu tempo, uma boa palavra ao que está cansado.” Isaías 50:4. CBV 158.1

Todos quantos nos cercam são almas aflitas. Aqui e ali, por toda parte, podemos encontrá-las. Procuremos esses sofredores e demos-lhes uma palavra a seu tempo para lhes confortar o coração. Sejamos sempre condutos por onde fluam as refrigerantes águas da compaixão. CBV 158.2

Em todas as nossas relações devemos lembrar que há, na vida dos outros, capítulos fechados às vistas mortais. Há, nas páginas da memória, tristes histórias que são cuidadosamente guardadas de olhares curiosos. Aí se encontram registradas longas, renhidas batalhas com circunstâncias difíceis, talvez perturbações da vida doméstica, que enfraquecem dia a dia o ânimo, a confiança e a fé. Os que estão pelejando o combate da vida em grande desvantagem de condições podem ser fortalecidos e animados por pequeninas atenções que não custam senão um amorável esforço. Para esses, o caloroso e ajudador aperto de mão dado por verdadeiro amigo vale mais que prata ou ouro. As palavras de bondade são recebidas com tanto agrado como o sorriso dos anjos. CBV 158.3

Há multidões lutando com a pobreza, obrigados a batalhar duramente por pequenos salários, e mal podendo garantir as mais rudimentares exigências da vida. A labuta e a privação, sem esperança de coisas melhores, tornam excessivamente pesada sua carga. E, quando a isso se ajuntam a dor e a doença, o fardo é quase insuportável. Alquebrados e oprimidos, não sabem para onde se voltar em busca de auxílio. Compadecei-vos deles em suas provações, suas mágoas e decepções. Isso vos abrirá o caminho para os ajudar. Falai-lhes das promessas de Deus, orai com eles e por eles, inspirai-lhes a esperança. CBV 158.4

As palavras de ânimo e coragem dirigidas quando a pessoa está doente e sem ânimo são palavras consideradas pelo Salvador como ditas a Ele próprio. Ao serem os corações reconfortados, os anjos celestes olham para o alto em satisfeito reconhecimento. CBV 159.1

De século em século, o Senhor tem estado buscando despertar na alma dos homens um senso de sua divina fraternidade. Sede coobreiros Seus. Enquanto a desconfiança e a separação estão penetrando por todo o mundo, os discípulos de Cristo devem revelar o espírito que reina no Céu. CBV 159.2

Falai como Ele falaria, agi como Ele haveria de agir. Revelai constantemente a doçura de Seu caráter. Manifestai aquela opulência de amor que se acha na base de todos os Seus ensinos e de todo o Seu trato com os homens. Os mais humildes obreiros, em cooperação com Cristo, podem tocar cordas cujas vibrações ressoarão até aos extremos da Terra, e ecoarão harmoniosamente através dos séculos eternos. CBV 159.3

Os espíritos celestes estão esperando para cooperar com os instrumentos humanos, para revelar ao mundo o que se podem tornar os homens, mediante a união com o Divino, e o que pode ser realizado em favor da salvação das almas prestes a perecer. Não pode haver limite à utilidade de uma pessoa que, pondo de parte o eu, oferece margem à operação do Espírito Santo em seu coração, e vive uma vida inteiramente consagrada a Deus. Todos quantos consagram corpo, alma e espírito a Seu serviço estarão constantemente recebendo nova provisão de poder físico, mental e espiritual. Os inesgotáveis abastecimentos celestes se acham a sua disposição. Cristo lhes dá o alento de Seu próprio espírito, a vida de Sua vida. O Espírito Santo desenvolve suas mais altas energias para operar na mente e no coração. Mediante a graça que nos é dada podemos conseguir vitórias que, devido a nossas opiniões errôneas e preconcebidas, nossos defeitos de caráter, nossa pouca fé, pareciam impossíveis. CBV 159.4

A todos quantos se oferecem ao Senhor para o serviço, sem nada reter, é dado poder para alcançar resultados sem limites. Por esses fará Deus grandes coisas. Ele operará no espírito dos homens de modo que, mesmo neste mundo, ver-se-á em sua vida um cumprimento da promessa do futuro estado. CBV 160.1

“O deserto e a terra se alegrarão;
O ermo exultará e florescerá como o narciso.
Florescerá abundantemente, jubilará de alegria e exultará;
Deu-se-lhes a glória do Líbano,
O esplendor do Carmelo e de Sarom;
Eles verão a glória do Senhor,
O esplendor do nosso Deus.
Fortalecei as mãos frouxas
E firmai os joelhos vacilantes.
Dizei aos desalentados de coração: Sede fortes, não temais.
Eis o vosso Deus. ...
Então, se abrirão os olhos dos cegos,
E se desimpedirão os ouvidos dos;
Os coxos saltarão como cervos,
E a língua dos mudos cantará;
Pois águas arrebentarão no deserto,
E ribeiros, no ermo.
A areia esbraseada se transformará em lagos,
E a terra sedenta, em mananciais de águas. ...
E ali haverá bom caminho,
Caminho que se chamará o Caminho Santo;
O imundo não passará por ele,
Pois será somente para o seu povo;
Quem quer que por ele caminhe não errará, nem mesmo o louco.
Ali não haverá leão,
Animal feroz não passará por ele,
Nem se achará nele;
Mas os remidos andarão por ele.
Os resgatados do Senhor voltarão
E virão a Sião com cânticos de júbilo;
Alegria eterna coroará a sua cabeça;
Gozo e alegria alcançarão,
E deles fugirá a tristeza e o gemido.” Isaías 35:1-10.
CBV 160.2